Companhia Moderno de Dança com o espetáculo Lírica Morada




O Teratro Universitário Cláudio Barradas (TUCB) do Instituto de Ciências da Arte (ICA) da Universidade Federal do Pará (UFPA), apresentará no dia 25 de maio, às 20 horas, a  Companhia Moderno de Dança com o espetáculo Lírica Morada.

Lírica Morada tem como ponto de partida o poema Para ler como quem anda nas ruas, também de autoria de Paes Loureiro, que em seus versos cruza espaços e tempos de Belém e desvela, a partir de múltiplas referências históricas e literárias, uma cidade encantada na linguagem. Por meio de suas metáforas o poeta atravessa uma Belém local para pluralizá-la em versos universais.

Poesia e movimento entrelaçam-se na criação cênica, ressignificando e atualizando a memória da cidade. Neste entrelaçamento, a Companhia Moderno de Dança escava calçadas de pedras e mergulha em busca das encantarias de sua Belém do Pará, encobertas ora pelo andamento caótico da cidade, ora pelo discurso de seus moradores, que se limitam a enxergar apenas o que lhes é dado visivelmente. A leitura coreográfica implementada sobre o poema constroi na cena um lugar existente entre a realidade e a imaginação dos criadores do espetáculo, que concebem uma cidade invisível aos olhos, porém vislumbrada em sensações e devires. A dramaturgia desenrola-se em meio a recorrências que trazem à tona conflitos em torno do amor, da morte e da religiosidade, retratando Belém em corpos apaixonados. A cidade é o próprio corpo que dança: lânguido, sôfrego, benevolente, atroz... humano. É a cidade-corpo, posta à prova, testada em seus limites, entre a fé e a penitência, a morte e a ressurreição, o amor e a dor. Como Orfeu, que segue Caronte até os confins do nunca mais em busca de sua Eurídice, a Companhia Moderno de Dança procura, pelos caminhos apontados por Paes Loureiro em Para ler como quem anda nas ruas, aproximar-se das entranhas de sua cidade natal e, a partir das sutilezas presentes na banalidade cotidiana, vagar entre passado, presente e futuro do lugar, bailando como um ser errante que se deixa levar por ruídos submersos nos rios e ruas de Belém, sua Lírica Morada.

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO
Direção de honra: Marlene Vianna.
Direção executiva/ administrativa: Gláucio Sapcahy.
Direção artística/ coreográfica e argumento cênico: Ana Flávia Mendes Sapucahy.
Direção coreográfica adjunta: Luiza Monteiro.
Concepção e pesquisa: Companhia Moderno de Dança.
Dramaturgia: Saulo Sisnando.
Poema: João de Jesus Paes Loureiro.
Roteiro: Ana Flávia Mendes Sapucahy, Saulo Sisnando, Luiza Monteiro, Feliciano Marques e Ercy Souza.
Elenco/intérpretes-criadores: Aline Maués, Andreza Barroso, Arianne Pimentel, Bruna Cruz, Christian Perrotta, Daiane Gasparetto, Ercy Souza, Feliciano Marques, Iam Vasconcelos, Luiz Henrique Santana, Luiz Thomaz Sarmento, Luiza Monteiro, Wanderlon Cruz.
Trilha sonora original/ composição e direção musical: Christian Perrotta.
Cenografia: Sônia Lopes, Tarik Coelho e Wanderlon Cruz.
Iluminação: Tarik Coelho.
Figurino: Cláudia Palheta.
Patrocínio: Lei Semear, Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, Sol Informática.
Apoio institucional: Colégio Moderno.
Realização:Companhia Moderno de Dança.

O Teatro Universitário Claudio Barradas fica localizado na Rua Jerônimo Pimentel, 546, esquina  com a Travessa D.  Romualdo de Seixas, no bairro do Umarizal, em Belém
Entrada Franca!


Mais informações pelo telefone (91) 3249.0373

Texto: Ana Maria Castro
Assessora de Comunicação do TUCB/ICA/UFPA

Comentários