Conexão Dança Curimbó – Etapa Nina Dipla

 
Neste final de semana estreia mais uma coreografia do projeto Conexão Dança Curimbó, desta vez, criada por Nina Dipla, coreógrafa grega, convidada do projeto da Cia de Investigação Cênica.  Além da nova montagem, Nina vai se apresentar com seu espetáculo solo "Rosa", na abertura da temporada.

Luciana Medeiros

RELEASE

Conexão Dança Curimbó – Etapa Nina Dipla

Mais informações: Luciana Medeiros/ Assessoria de Imprensa
Cel. 8134.7719 (CLARO), 8352.1145 (TIM), 3088.5858 (fixo Claro)

FOTOS

Legenda: Nina Dipla, mostra seu solo "Rosa", na abertura da temporada  // Foto: Aldo Begni

Legenda: O elenco do Conexão Dança Curimbó// Foto: André Mardock

Projeto tem coreógrafa grega em sua terceira etapa

Nina Dipla ministrou um workshop para intérpretes selecionados por meio de edital e montou com o elenco da Cia de Investigação Cênica, a segunda coreografia do projeto, que estará em cartaz de 24 a 26 de março, sempre às 20h, no Teatro Cláudio Barradas. No dia 24, Nina abre a programação com a apresentação de seu espetáculo solo “Rosa”. O ingresso custa: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Mais informações: 91 8134.7719 / 3088.5858.

Intitulada “Chromata tou Kosmou” ou “Cores do Universo”, a nova coreografia do Conexão Dança Curimbó  traz um resultado bem diferente do primeiro, realizado com Maya Carroll. “Quando pensamos nas três etapas tínhamos isso em mente, pois cada uma das coreógrafas convidadas tem uma linguagem própria. Para nós, é outra experiência, já que cada uma delas vem de uma escola diferente”, explica Danilo Bracchi, da Cia de Investigação Cênica e diretor do projeto.
A experiência de contato com os intérpretes da Cia de Investigação Cênica e as imersões de Nina no Pará estão implícitas na coreografia. “Está sendo interessante mais uma vez, pois tanto Maya quanto Nina perceberam logo, nos nossos corpos, o que é o Pará. Por isso a levamos em lugares como a Ilha do Combú e no Ver-o-Peso”, continua Danilo.

Belém com seus cheiros e sabores, além da água dos rios, que praticamente cercam a capital paraense, encontraram ressonância no trabalho desenvolvido.  “Fomos à cidade de Colares para que ela mergulhasse em um igarapé. Nina em da Grécia e então ela é muito água. Essa fluidez do rio, da água, está na coreografia. Já o cenário é bem simples, temos um bom projeto de luz que vem sendo construído por Nando Lima, junto com Nina”, explica Bracchi.

No elenco, além do staff da Cia de Investigação Cênica, formada por Danilo Bracchi, Ícaro Gaya, Milton Aires e Marluce Oliveira, estão os convidados Michele Campos, Andrea Torres, Patrick Mendes e Marina Trindade. O espetáculo tem participação de Edson Santana, na percussão.

A direção musical é a assistência de sonoplastia são de Armando Mendonça; a direção de cena e luz é de Nando Lima, a operação de luz, de Thiago Ferradaes, o figurino, de Maurício Franco. A direção de produção é de Tainah Fagundes, o vídeo, de Ana Lobato, André Mardock e Marcelo Rodriguez. Nesta etapa, o projeto tem como ensaísta convidada, Jaqueline Vasconcelos e os olhares de Alexandre Sequeira, Miguel Chikaoka e Edson Santana.

O Conexão Dança Curimbó é contemplado pelo Prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna 2012 e tem apoio da ETDUFPA – Escola de Teatro e Dança da UFPA, Clínica Diogo Bonifácio, Mapinguari Designer e do ICA – Instituto da Ciência da Arte e Teatro Universitário Cláudio Barradas – UFPA, MM Produções.  A realização é da Trama e a produção da Trama e Três – Cultura Produção Comunicação.

Temporada conta com solo de Nina Dipla

Outro ponto relevante do projeto Curimbó é a necessidade de trazer para Belém novos trabalhos e experiências em dança contemporânea. Daí o convite para que Nina Dipla, além de montar a coreografia e realizar o workshop, mostre uma criação dela, em cena.
O solo “Rosa”, que será apresentado de forma inédita e única, em Belém, trabalha com a imagem para mascarar as aparências. Associadas às pessoas que dão importância em demasia à aparência, o espetáculo tem textos xamânicos que valorizam natureza e os processos de transformação essenciais das profundezas da alma.

“A criação de Rosa 'nasceu do desejo de trabalhar em tudo o "que não é" meu verdadeiro eu, e também sobre o que as regras que a sociedade nos empurra para deixar-nos cada vez mais imersos nessas máscaras e aparências, que por vezes, fugimos”, conta Nina.

Nina Dipla nasceu em Thessalonique, Grécia. Estudou na Folkwang Hochschule in Essen, onde se formou em 1993. Tornou integrante da Folkwang Tanz Studio (FTS) onde dançou, entre outros, A Sagração da Primavera, de Pina Bausch. Desde 1999, a bailarina tem colaborado como intérprete para diversos coreógrafos, compositores e cenógrafos. Foi também assistente do Tanz Wuppertaler Theater (Pina Bausch) para a reprise de Tannhäuser.

Vivendo em Paris, ela se dedica ao ensino de dança contemporânea, além de se apresentar com seu trabalho solo na França e no exterior em países como Alemanha, Grécia, Eslovênia, Argentina, Itália, Chile, Perú, Japão, Sérvia, Inglaterra, Chipre e Suíça. 

Linguagem - O método de Nina Dipla é inspirado nos ensinamentos do "Folkwang Hochschule, Pina Bausch", centra-se em peso, a energia, a respiração e a qualidade do movimento.  A dançarina precisa projetar seu / sua "verdade" gasta, hic et nunc, para ouvir a sua / seu corpo, para que ele / ela pode evitar imitando. 

Em seus workshops ela enfoca a importância dos detalhes, mas também na simplicidade da ação.  Os alunos são convidados a experimentar o seu espaço interno e externo através de sugestões que incentivá-los a aprofundar a sua / seu vocabulário coreográfico. 

Inicialmente, o corpo, totalmente relaxado, acorda. Em seguida, o aluno passa pela mudança de espaço, de forma gradual, os níveis, usando e estar ciente de suas / seus turnos de peso. Aos poucos, os exercícios foram se transformam em dança. 

“O que está sendo muito interessante neste projeto é que tanto a Maya quanto a Nina perceberam muito rapidamente os corpos dos nossos interpretes. Outra coisa é que neste workshop tivemos pessoas de Manaus e de municípios, como Castanhal, Bragança e Paragominas”, diz Danilo Bracchi.

 
Conexão é um projeto em continuidade

“Curimbó” é o terceiro momento de um projeto maior, o Conexão Dança, que iniciou em 2010 com a residência artística do bailarino Jhullyam Breno. O jovem, vindo do município de Itaituba para Belém, após um processo de seleção e audição, morou na capital paraense, onde durante dez meses, passou por um processo de formação artística.

Jhullyam não só fez aulas de dança, mas também de teatro e circo; participou dos processos de criação da Companhia de Investigação Cênica, atuando em seus espetáculos e acompanhando a rotina de trabalho de uma Cia. de dança profissional.

Na segunda etapa, em 2011, o Conexão Dança foi aprovado pelo Edital de Residência em Artes Cênicas da Funarte, o que proporcionou a Danilo Bracchi e Ícaro Gaya, da Cia de Investigação Cênica, viagens à Alemanha e França, onde participaram de workshops de dança e foram feitos os contatos iniciais com as coreógrafas Maya Carroll, israelense, e a grega Nina Dipla, ambas radicadas em Paris, assim como Minako Seki, coreógrafa japonesa radicada em Berlim.

“Fader”, de Maya Carroll, foi apresentada em novembro de 2013, no Teatro Waldemar Henrique. Foram duas noites em que o público lotou a casa e admirou o trabalho. Em cena, performance, teatro, dança confundiam sons de tambor com os produzidos pelos corpos dos artistas. Ao fragmentar o movimento da dança do carimbo, Maya obteve formas e imagens que apresentou ao público olhares amazônicos e estrangeiros.

Esta etapa do projeto foi contemplada com o Prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna 2012. Este ano, além de Nina Dipla, o Conexão Dança Curimbó, terá ainda o olhar de Minako Seki, completando, assim, uma trilogia.

Durante o período em que as coreógrafas estão em Belém, elas passam por imersões no universo cultural da região, sendo levadas pela equipe do projeto a conhecer a região do salgado e as origens do curimbó. O Conexão Dança, porém, é um processo interminável, que projeta na troca de experiência, a capacidade de criação e de aprimoramento artístico.

“A terceira etapa está aguardando resultados de editais nos quais a inscrevemos, e também estamos em busca de outros caminhos, por meio das leis Rouanet e Semear”, finaliza Danilo Bracchi.

Serviço
Apresentação de “Conexão Dança Curimbó. De 24 a 26 de janeiro, às 20h, no Teatro Cláudio Barradas – Rua Jerônimo Pimentel, com Dom Romualdo de Seixas. No dia 24, Nina Dipla abre a programação com a apresentação de seu solo “Rosa”. O ingresso custa: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Patrocínio Prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna 2012. Apoio: ETDUFPA – Escola de Teatro e Dança da UFPA, Clínica Diogo Bonifácio, Mapinguari Designer, ICA – Instituto da Ciência da Arte e Teatro Universitário Cláudio Barradas – UFPA, MM Produções.  Realização: Trama.  Produção: Trama e Três – Cultura Produção Comunicação. Mais informações: 8134.7719.
 
FICHA TÉCNICA DE CRHOMATA TOU KOSMOU (Cores do Universo)
Coreografia: Nina Diplal
Tempo: 35min
Elenco: Danilo Bracchi / Milton Aires / Icaro Gaya / Marluce Oliveira / Michele Campos / Andrea Torres / Patrick Mendes  / Marina Trindade
Direção Musical: Armando Mendonça
Percussão: Edson Santana
Direção de Cena e Luz: Nando Lima
Operação de Luz: Thiago Ferradaes
Direção Figurino: Maurício Franco
Direção Projeto: Danilo Bracchi
Direção de Produção: Tainah Fagundes
Vídeo e Fotos: Ana Lobato/ André Mardock / Marcelo Rodriguez
Ensaísta Convidado: Jaqueline Vasconcelos
Olhares: Alexandre Sequeira / Miguel Chikaoka / Edson Santana
Assessoria de Imprensa: Luciana Medeiros
Produção: A Trama e Três Cultura Produção Comunicação
 
FICHA TÉCNICA - ROSA
Coreografia / Interpetation: Nina Dipla
Música: Roberto Alagna, David Darling
Efeitos sonoros, sons da natureza: Carlos do Carmo
Duração: 40 min
Apoio: The Glass Menagerie, CND Lyon, Micadanses
Residência de criação: Centro choregraphique Orleans Josef Nadj
Foto: Aldo Begni
 
PATROCINIO E APOIOS
Patrocínio Prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna 2012.  Apoio: ETDUFPA – Escola de Teatro e Dança da UFPA, Clínica Diogo Bonifácio, Mapinguari Designer, ICA – Instituto da Ciência da Arte e Teatro Universitário Cláudio Barradas – UFPA e MM Produções.   Realização: Trama.  Produção: Trama e Três – Cultura Produção Comunicação.
--
Luciana Medeiros
Comunicação e Cultura
DRT-PA 1170

Blog de jornalismo cultural
Holofote Virtual
Produtora
Contatos: 
91 8134.7719
91 9241.9626
91 3088.5858
 
ASSESSORA DE COMUNICAÇÃO: TUCB/ICA/UFPA Ana castro
POSTADO POR: Camila Góes (Bolsista da secretaria do TUCB/ICA/UFPA)

Comentários