Espetáculo " RECUSA "


O Teatro Universitário Cláudio Barradas (TUCB) do Instituto de Ciências da Arte (ICA) da Universidade Federal do Pará (UFPA), será palco nos dias 25 e 26 de abril de 2014, às 20 horas, da Companhia de Teatro Balagan com a apresentação do espetáculo " RECUSA ", com os premiados atores Antonio Salvador e Eduardo Okamoto. A encenação é de Maria Thaís e a dramaturgia de Luis Alberto de Abreu.

 
 
RECUSA, começou a ser desenhado a partir do interesse despertado pela notícia veiculada no Jornal Folha de S. Paulo, em 16 de setembro de 2008 sobre o aparecimento de dois sobreviventes, índios Piripkura – etnia considerada extinta há mais de vinte anos. Viviam nômades, perambulando por fazendas madeireiras no noroeste do Mato Grosso, próximo ao município de Ji-Paraná, em Rondônia, e ambos se recusavam a estabelecer qualquer contato com os brancos. Foram encontrados porque suas gargalhadas ressoaram na floresta e chamaram atenção: eles riam das histórias que contavam um ao outro enquanto davam conta de comer a caça recém abatida.  É narrado, cantado, por dois olhares e seus múltiplos: dois índios Piripkura; dois heróis ameríndios, Pud e Pudleré, criadores dos seres; um padre que foi engolido por uma onça que resolveu morar dentro de um lugar inesperado; um fazendeiro que matou um índio e o mesmo índio que o matou, por uma cantora que se perde na mata, por Macunaíma e seu irmão, os heróis dos Taurepang, e outros tantos.
A primeira fase do trabalho, que teve início em março de 2009, reuniu atores, dramaturgo, diretora, preparadora corporal, cenógrafo, e foi dedicada a tecer um diálogo com colaboradores convidados – antropólogos e estudiosos da cultura ameríndia para investigar quais as formas de aproximação, artística, deste universo.
A segunda etapa da pesquisa, de julho de 2010 ajunho 2011, integrou o projeto O Trágico e o Animal contemplado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo – apresentou publicamente, na Casa Balagan, três Estudos Cênicos dos primeiros roteiros dramatúrgicos experimentados em sala de ensaio.
Ainda como parte das pesquisas, em fevereiro de 2011 integrantes da Cia Teatro Balagan passaram um período de troca e convívio na aldeia Gapgir, junto ao Povo Indígena Paiter Suruí, em Rondônia.
 
 Lançando o olhar para outras fontes de pesquisa, descobriu-se que em inúmeras cosmologias ameríndias, o mundo, os seres e as coisas são criados por uma dupla de gêmeos, que passam pelo mundo, para criar e desaparecer. Para os ameríndios o mundo sempre existiu – não houve um começo – somente as coisas e os seres não o habitavam. E o mundo já acabou diversas vezes, configurando um ciclo de construção e destruição constante. Será que estes dois sobreviventes, ao invés de estarem a beira do fim, não passam pelo mundo, única e exclusivamente, pra criar algo?
“O espetáculo é nossa via poética, de resistência artística e desloca nossas perspectivas sobre a idéia de extinção, finitude, história, civilização, identidade, alteridade, animalidade e humanidade”, complementa a diretora Maria Thaís.
DRAMATURGIA
Essencialmente narrativa, a dramaturgia de RECUSA, escrita por Luiz Alberto de Abreu, partiu de uma série de discursos que foram assim nomeados pela equipe de trabalho: discurso jornalístico, discurso antropológico, discurso geopolítico e discurso mítico, valendo-se de diversas fontes – jornais, textos de antropologia, discursos de advogados e entidades políticas ligadas à causa indígena e narrativas míticas de diversas nações ameríndias oriundas de reelaborações por algum interlocutor branco ou transcrições fiéis às fontes narradas: os próprios indígenas. Essa diversidade de material multiplicou também os pontos de vista do relato jornalístico que deu origem ao projeto RECUSA.
 CENOGRAFIA, FIGURINO, MÚSICA e ILUMINAÇÃO
 
A concepção da cenografia e do figurino do espetáculo RECUSA é do cenógrafo e figurinista Márcio Medina, criador da Cia Teatro Balagan e responsável por todos os seus trabalhos. O espaço cênico foi concebido de modo que a cena seja vista de forma frontal, onde o espectador possa também transitar por diversas perspectivas.
Os figurinos construídos são os dos atores narradores, e não das «personagens». Eles contêm elementos que multiplicam um único sujeito em muitos.
Todos os seres são humanos, dizem os mitos. O que acontece é que a «pele», a «roupa» que cada um veste é que é de onça, gente, cadeira, chinelo, vento, livro.
Esta ideia conduziu diretamente a pesquisa dos figurinos de RECUSA.
A concepção de luz, em RECUSA, se estruturou a partir da exploração das possibilidades da luz natural, da sombra, das distinções entre o dia e a noite. São estes os elementos a serem materializados pela luz que, antes de iluminar a cena, o ator, como na tradição ocidental, deve iluminar o mundo – sem contudo, tornar visível o que deve se manter invisível.
A pesquisa sonora, dirigida pela etno-musicista Marluí Miranda, tem como material a construção verbal (como a desestruturação da língua portuguesa, quando falada pelos indígenas), os modos de narração, as técnicas de uso da voz e da palavra, além de cantos de diversos povos indígenas, recriados pela pesquisadora, como também as referências pesquisadas e aprendidas pelos atores (Karajá, Kaiapó, Mehinaku, Yanomami, etc). Cantos em outros idiomas, como o latim e o português também compõem o material de criação. Outros elementos foram incorporados ao trabalho, como os zunidores, chocalhos e rabeca, compõem a rica musicalidade desta tradição.
O espetáculo recebeu várias premiações como Prêmio Shell de Teatro 2012 como Melhor Direção: Maria Thais, Melhor Cenário: Márcio Medina; Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte 2012 (APCA) como Melhor Ator: Antonio Salvador e Eduardo Okamoto; Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro 2012 - como Melhor Espetáculo de Sala Convencional, Melhor Projeto Sonoro: Marlui Miranda; Prêmio Shell de Teatro 2012 - para Ator e Música; Prêmio CPT 2012: para Dramaturgia, Direção, Elenco, Projeto Visual.
A CIA TEATRO BALAGAN
Balagan é uma palavra presente em diversos idiomas como o russo, o turco, o árabe e o hebraico. Pode significar teatro de feira, baderna, bagunça ou confusão.
Desde seu surgimento, em 1999, aCia Teatro Balagan formou-se como um núcleo de criação que reúne artistas o redor de uma prática teatral fundada na experimentação. Para nós, os processos criativos têm um caráter pedagógico, pois permitem a formação continuada dos artistas envolvidos e, em uma segunda instância, através do espetáculo, a formação dos espectadores. É no espetáculo que se organiza e para onde convergem as vozes criadoras – da cenografia à atuação, da dramaturgia à iluminação, da produção à direção e ao público – que, juntas, geram a polifonia da cena.
Em 1999, aCia estreou o primeiro espetáculo, Sacromaquia. Desde então foram criadas outras quarto obras: A Besta na Lua (2003),Tauromaquia (2004-2006), Západ – A Tragédia do Poder (2006-2007) e Prometheus – a tragédia do fogo (2010-2012). Em 2007 e 2008, realizou o projeto Do Inumano ao mais-Humano que integrava duas ações de formação: uma voltada para os artistas da Cia e outra, à Formação do Olhar para o Teatro, voltada para o espectador. Dois dos temas pesquisados ali, Inumano-trágico e Inumano-animal geraram dois espetáculos respectivamente, Prometheus e Recusa.
FICHA TÉCNICA
Dramaturgia: Luis Alberto de Abreu
Encenação: Maria Thaís
Atuação: Antonio Salvador e Eduardo Okamoto (ator convidado)
Cenografia e Figurino: Márcio Medina
Direção Musical: Marlui Miranda
Iluminação: Davi de Brito
Preparação de Butoh: Ana Chiesa Yokoyama
Assistência de Direção: Gabriela Itocazo
Assistência de Cenografia: César Santana
Assistência de Iluminação: Vânia Jaconis
Operação de Luz: Bruno Garcia
Administração: Deborah Penafiel
Produção Executiva: Norma Lyds
Costureira: Judite de Lima
Fotografia
 Material Gráfico e Divulgação:  Ale Catan
Assessoria de Imprensa: Adriana Monteiro | Ofício das Letras
Projeto Gráfico: daguilar.com.br
Direção de Produção: Daniele Sampaio
Duração: 90 min
Classificação Etária: 12 anos
 ENTRADA FRANCA!
Mais informações pelo email: ORIANA BITAR - oribitar@gmail.com
CELULARES - (91)  8417-5387  (CLARO)  e 8229-4297  (TIM) e ALDO CARVALHO - (91) 8032-6178  (TIM)  e  9903-2588 (OI)
O Teatro Universitário Cláudio Barradas fica localizado na  Avenida Jerônimo Pimentel, 546, esquina com a Travessa D.  Romualdo de Seixas, no bairro Umarizal, em Belém. 
 
Ana Maria Castro: Assessora de comunicação do Teatro Universitário Cláudio Barradas - TUCB/ICA/UFPA
Postado Por: Camila Góes - Bolsista da Secretaria do TUCB

Comentários