Espetáculo "Vieira - O Céu Na Terra" 27 e 28 de março/2015


O teatro universitário Cláudio Barradas em parceria com a companhia profissional de teatro portuguesa ÉTER – PRODUÇÃO CULTURAL, apresentarão nos dias 27 ( (dia mundial do teatro) e 28 de março/15, às 20 horas, o espetáculo teatral "Vieira - O Céu Na Terra" . 
 Os ensaios para a apresentação "Vieira - O Céu Na Terra"  estão acontecendo dentro do TUCB  desde segunda - feira  16/03/2015, entre atores de Portugal, atores da Guiné Bissal e atores paraenses que passaram por uma seleção para participar do espetáculo. Atores, diretores  e equipe técnica estão em pleno contato com a equipe estrangeira trocando os variados conhecimentos, música, cenografia, vídeo, luz, som, e é claro encenação.

"Vieira – O Céu na Terra" é um projeto de Teatro, Música, Instalação Multimídia e Conferências em torno da vida e obra de Padre António Vieira, interligando artistas e entidades de Portugal, Guiné Bissau e Brasil. 
Sinopse:
Em Lisboa, na corte de D. João IV, no Brasil entre os colonos ou entre os índios do sertão, revela-se o homem de plurais atividades - missionário, diplomata, político, orador, profeta, escritor, nacionalista, "Vieira – O Céu na Terra" evidencia a atividade profética de Padre António Vieira e a sua intransigente defesa das profecias do Bandarra e do Quinto Império como união de todos os povos num reino cristão de justiça, amor e abundância; a atividade de pregador, como o mais insigne orador português, bem como o seu afã de justiça social, corroborado na denúncia contra o tratamento dos escravos, tratados como animais de carga, exigindo dos donos das canavieiras de açúcar um tratamento humano para os negros; na denúncia contra a exploração e escravização dos índios do Brasil promovida abundantemente pelos colonos brancos, e a sua defesa do judeu e cristão-novo. Esta última atividade tornou-o suspeito da Inquisição, tendo sido preso e condenado por este Tribunal.
Numa adaptação que contempla as realidades portuguesa, africana e brasileira, o projeto será apresentado em Belém e na Guiné-Bissau, relacionando artistas e instituições dos 3 países. O espetáculo reúne atores e músicos portugueses, guineenses e brasileiros e contará com a participação de estudantes de teatro da ETDUFPA e com atores e músicos d'Os Fidalgos, na Guiné-Bissau. 
Nas diferentes cenas, as personagens, a música e as imagens revelam momentos da vida de Padre António Vieira, integrando cenas passadas em Belém do Pará e em Cacheu (antigo porto africano de transporte de escravos para o Brasil).
A instalação multimédia O SAL DA TERRA, proporciona ao público interagir com sons e imagens de etnias guineenses e de índios da Amazónia, bem como elementos da natureza dos 2 países. A relação entre instrumentos musicais e padrões utilizados em artesanato constituem materiais estéticos desta instalação; movimentos e ações de indivíduos em linguagem influenciam imagens ou sons em tempo real. A instalação estará patente ao público na semana do espetáculo (23 a 28 de março/15 - entrada franca).
Já a conferência aborda o tema VIEIRA E O QUINTO IMPÉRIO : O Quinto Império - tradição messiânica portuguesa - foi desenhada na década de 1650 durante a estadia de padre António Vieira no Maranhão e no Grão-Pará. Considerando a Europa em estado de decadência religiosa (cisão Reforma/Contra Reforma), Vieira considerava que a salvação do mundo se encontrava na conversão dos milhões de índios e negros (América e África), como que perfazendo uma tenaz de pureza evangélica que abafaria a corrupção e o vício dominantes na Europa, sob a égide do exemplo de Cristo, instauraria uma época de paz, justiça e abastança no mundo: o Quinto Império será apresentada pelo autor, escritor, conferencista Miguel Real, no dia 25 março 2015, às 17h:30min (entrada franca).
FILOMENA OLIVEIRA (diretora artística da Éter - Produção Cultural)
Encenou os seguintes espetáculos: Memorial do Convento, de J. Saramago; Os Patriotas, Sintra, 2001; O Umbigo de Régio, Teatro da Trindade 2003; Vieira – O Céu na Terra, Convento do Carmo, 2008, Museu do Teatro, 2009; Os Maias, CCOC, Sintra, 2010; Navegar, Camões, Pessoa e o V Império , Mosteiro dos Jerónimos, 2012; Memórias de Branca Dias, Teatro Garcia de Resende, 2008; Frei Luís de Sousa, Panteão Nacional, 2013, Liberdade, Liberdade! Macau, 2011, Guiné-Bissau, 2013.
Em co-autoria com Miguel Real escreveu: Uma Família Portuguesa, grande prémio de teatro SPA/Teatro Aberto, 2008, encenado por Cristina Carvalhal, Teatro Aberto, 2010; 1755 - o Grande Terramoto, estreado no Teatro da Trindade, 2006;   Vodka e Cachupa, menção honrosa no Prémio de Teatro Bernardo Santareno, 2009 e O Julgamento de Sócrates, menção honrosa no Prémio de Teatro Inatel/Teatro da Trindade.
É autora de Tomai lá do O'Neill (Sintra, 1999; Benfica, 2008; Coimbra, 2011), da adaptação de A Relíquia, de Eça de Queirós (Teatro Ibérico, 2010), da tradução e versão dramatúrgica de O Alquimista de Ben Jonson, 2005.
Edições: Os Patriotas, Europress, 2002; A Relíquia e Tomai lá do O'Neill, Europress, 2003; Vodka e Cachupa, Uma Família Portuguesa e Viúva Recente, ed. Fonte da Palavra, 2010, Liberdade, liberdade!, ed. Fonte da Palavra, 2011.
Direção de performances literárias: nos Dia do Desassossego, Lisboa, novembro de 2013 e 2014, em parceria com a Fundação José Saramago e a Casa Fernando Pessoa; textos de P. António Vieira  no lançamento da obra completa, pelo ator António Mortágua, na Reitoria da Universidade de Lisboa, 2013, e pelo ator Rogério Jacques na Fundação José Saramago.
Licenciatura em Filosofia, Faculdade de Letras, Lisboa, e curso superior especializado em Teatro e Educação, Escola superior de Teatro e Cinema, Lisboa.

MIGUEL REAL (autor e conferencista)
Investigador do CLEPUL, Centro de Literaturas e Culturas Europeias e Lusófonas da Faculdade de Letras de Lisboa, publicou os romances Memórias de Branca Dias (2003), A Voz da Terra (2005), O Último Negreiro (2006), O Último Minuto na Vida de S. (2007), O Sal da Terra (2008), A Ministra (2009), As Memórias Secretas da Rainha D. Amélia (2010), A Guerra dos Mascates (2011), O Feitiço da Índia (2012) e A Cidade do Fim (2013) e O Último Europeu (2015). Publicou os ensaios Narração, Maravilhoso, Trágico e Sagrado em "Memorial do Convento" de José Saramago (1998), O Marquês de Pombal e a Cultura Portuguesa (2005), O Último Eça (2006), Agostinho da Silva e a Cultura Portuguesa (2007), Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa (2008) e Padre António Vieira e a Cultura Portuguesa (2008), A Morte de Portugal (2007), Matias Aires. As Máscaras da Vaidade (2008), José Enes. Filosofia, Açores e Poesia (2009), Introdução à Cultura Portuguesa (2011), O Pensamento Português Contemporâneo. 1890 – 2010 (2011), Nova Teoria do Mal (2012), Romance Português Contemporâneo. 1950 – 2010 (2012), Nova Teoria da Felicidade (2013), Comentário a "Mensagem" de F. Pessoa (2013), Nova Teoria do Sebastianismo (2014) e O Futuro da Religião (2014).
Galardoado com os Prêmios de Revelação e de Ensaio e de Ficção da Associação Portuguesa de Escritores, o Prêmio "Ler" do Círculo de Leitores, o Prêmio Fernando Namora, o Grande Prêmio de Teatro da Sociedade Portuguesa de Autores em conjunto com Filomena Oliveira e o Prêmio Melhor Obra Literária de 2012 da Sociedade Portuguesa de Autores.

Os ingressos para o espetáculo teatral será  R$20,00 (com meia entrada para estudantes).
Mais informações pelo celular (91) 99601.0745 (Magda Bull - produtora).
Teatro Universitário Cláudio Barradas fica localizado na  rua Jerônimo Pimentel, 546 (esquina com D. Romualdo de Seixas) no  bairro Umarizal, em Belém.

Postado por: Camila Góes - Bolsista da secretaria do TUCB

Comentários