MEMÓRIAS, RETALHOS E FIOS: cenas teatrais em Belém do Pará

O professor Denis Bezerra, da Escola de Teatro e Dança (ETDUFPA) do Instituto de Ciências da Arte (ICA), e doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia (PPHIST) da Universidade Federal do Pará, realizará no período de 2 a 6 de março/16, no Teatro Universitário Cláudio Barradas (TUCB), uma extensa programação envolvendo a defesa de sua tese do doutorando, intitulada: "Vanguardismos e Modernidades: cenas teatrais em Belém do Pará (1941-1968)"; a  Instalação Performática: "MEMÓRIAS, RETALHOS E FIOS: cenas teatrais em Belém do Pará"; e uma performance: "Maura".
Realizada pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia da UFPA, esse trabalho exigiu do doutorando durante quatro anos e meio, uma profunda busca por elementos históricos, para o exercício da escrita acadêmica, que tornou o resultado em uma profunda viagem ao passado da cidade de Belém, na tentativa de compreender os processos criativos, políticos, ideológicos e poéticos de sua cena teatral, durante três décadas do século XX (1941-1968). Para isso, foi necessário submergir nos labirintos do esquecimento, do silêncio, e das recordações.
Toda sociedade é composta por elementos históricos, alimentados pelas memórias. Quando andamos por uma cidade, por exemplo, as trajetórias da vida estão postas nas arquiteturas das casas, na urbanização das ruas e praças, nas vestimentas, nos alimentos, em tudo que está circunscrito em nossa cultura. Nós, seres humanos, também somos feitos de matéria histórica, em nossa genética, em nossas práticas religiosas, nossa personalidade, pensamentos, está tudo envolto em nosso corpo e nossa mente. E, para além de um ser individual, há as trocas com outros sujeitos, há memórias individuais e coletivas, que como uma colcha de retalhos se juntam, guardam as particularidades, mas costuradas representam, também, outros organismos.
Assim, minha pesquisa de doutorado investigou a produção teatral em Belém do Pará, no período de 1941 a 1968, a partir das ações dos grupos Teatro do Estudante do Pará (1941-1951); Norte Teatro Escola do Pará (1957-1962); e as primeiras atividades do Serviço de Teatro da Universidade do Pará (1962-1967), atual Escola de Teatro e Dança da UFPA.  Memórias, registros privados, relatos jornalísticos e criações artísticas são abordados como indícios dos sentidos concebidos por seus agentes, em seu tempo e realidade social. Há o diálogo interminável entre fontes de pesquisa e concepções teóricas, no caminho das práticas artísticas e culturais presentes em Belém, no presente recorte temporal. Procuro discutir, no trabalho, as produções teatrais ligadas à concepção de transformação da cena local, por meio do contato com o teatro considerado canônico e clássico. No entanto, aparece, além da valorização desse saber constituído como tradição, o discurso da vanguarda artística, em diferentes momentos e contextos artísticos paraenses. São essas questões que busco investigar e promover uma reflexão historiográfica acerca desses elementos culturais, comentou Denis Bezerra.
A discussão sobre a produção cultural no Pará, por meio do campo teatral, o ajudou a entender como os artistas e intelectuais paraenses estiveram conectados aos movimentos de vanguardas europeias e, também, brasileiras. Essas reflexões e ações no campo artístico, em especial o teatro, colaboram, ainda, na percepção da organização sociopolítica e proporcionou compreender como determinados segmentos da sociedade local se comportaram diante das inovações poéticas, quanto às questões políticas no estado.
O recorte de sua pesquisa definiu-se pela experiência com a pesquisa documental. Inicialmente, no Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia, da UFPA, tinha-se como meta abordar o período correspondente entres os anos de 1957 a 1990, tendo como suporte a criação do Norte Teatro Escola do Pará (1957-1962) até as últimas atividades do Grupo Cena Aberta (1976-1990), grupos investigados em sua dissertação de mestrado, entre os anos de 2008 a 2010, na Pós-graduação em Letras da UFPA.
Denis pensava que a cena moderna e contemporânea teatral paraense perpassava pelas ações desses dois referidos grupos, e, dessa maneira, procurou expor um contraponto entre uma tradição teatral no Pará, por meio do Norte Teatro Escola do Pará, e o determinou de modernidade, por meio do Grupo Cena Aberta. No entanto, ao ingressa no PPHIST, o objeto continuou o mesmo, a priori, mas o foco da abordagem passou a ser uma reflexão histórica sobre os referidos fatos, com a ideia de ampliar o campo de pesquisa, tentando abordar outros grupos e formas de se pensar e produzir teatro em Belém do Pará, no século XX. Continuou com a pesquisa em História Oral, ao realizar entrevistas com artistas, professores e intelectuais paraenses, que pudessem fornecer elementos significativos para compreender algumas cenas de nosso teatro. Porém, além das entrevistas, mergulhou na pesquisa em periódicos e outras fontes que proporcionaram a entender como o teatro foi pensado e feito em Belém.
Além do exercício da escrita acadêmica, nesse ritual de finalização de sua pesquisa, resolveu comungar com a sociedade local, por meio de uma Instalação Performática, a sua experiência com a pesquisa histórica sobre o teatro feito em Belém, entre as décadas de 1940 a 60. É o momento, enquanto artista, de dividir com todos o seu processo de pesquisa.
Dessa maneira, a Instalação Performática MEMÓRIAS, RETALHOS E FIOS: cenas teatrais em Belém do Pará é uma atividade de compartilhamento, de comunhão de saberes sobre fragmentos das histórias teatrais da capital paraense.
Além dessa instalação, no dia 05 de março haverá a apresentação da Performance Maura. Esse trabalho cênico é um processo sobre a escritora brasileira Maura Lopes Cançado, desenvolvido desde 2013, juntamente com a artista Rosilene Cordeiro. Maura é inserida nesse momento, porque no processo de experimentação e criação ela se alimentou da vivência acadêmica de Denis.



PROGRAMAÇÃO:
Instalação Performática MEMÓRIAS, RETALHOS E FIOS: cenas teatrais em Belém do Pará.
02, 04 e 06 de março.
Horário: 20h.
Local: Teatro Universitário Cláudio Barradas.
Inteira: R$ 10,00
Meia: R$ 5,00.

Performance Maura
Dia: 05/03/2016.
Horário: 20h.
Ingressos:
Inteira: R$ 10,00
Meia: R$ 5,00.


Defesa da tese.
Dia 03/03/2016.
Horário: 15h.
O Teatro Universitário Cláudio Barradas (TUCB), fica localizado na Rua Jerônimo Pimentel, 546 (esquina com a Dom Romualdo de Seixas, no bairro Umarizal - Belém-Pará.

Comentários