A Cia. Experimental de Dança Waldete Brito realizará no período de 01 a 05 de setembro/16, no Teatro Universitário Cláudio Barradas (TUCB), " O ENCONTRO CONTEMPORÂNEO DE DANÇA" (ECDANÇA), coordenado pela professora Waldete Brito, Caroline Castelo, Alessandra Ewerton, Roberta Castro e Raquel Castro. O VI Encontro se configura como um dos principais eventos da dança contemporânea paraense, sobretudo por se distanciar do modelo de competição e tem como objetivo não é promover o encontro de bailarinos, professores e coreógrafos para uma competição entre si, mas compartilhar ideias de novas proposições, reflexões e corresponsabilidade na construção da cena contemporânea local. Não obstante, existe o desejo de gerar maior visibilidade aos poucos grupos e companhias que apresentam pesquisa permanente de espetáculos de dança, e não apenas, uma coreografia. Os interessados em participar do evento, poderão fazer sua inscrição pelo e-mail ecodanca@gmail.com. A taxa para efetivação da mesma no valor de R$25,00 (com direito a 01 oficina+assistir as comunicações). Quem fizer mais de uma oficina ganha desconto na inscrição da segunda e terceira oficina (duas oficinas por R$45,00 e três oficinas por R$60,00). Os inscritos ganharão um super desconto no lançamento do livro "Dança e política: estudos e prática", de Marilla Veloso, podendo adquirir o mesmo pelo valor de R$5,00, mediante comprovação de inscrição. Na programação, o VI ECDANÇA, contará com a participação de companhias nacionais: Grupo Experimental (PE), Marila Velloso (PR) e Marcela Levi e Lucía Russo (RJ), que apresentarão os espetáculos "Breguetu"; "So you really think you can dance" e "Mordedores", respectivamente. Além da apresentação dos espetáculos serão ofertadas oficinas de dança em distintas áreas, e também haverá o lançamento do livro "Dança e política: estudos e prática", de Marilla Veloso,conforme a programação anexo. O valor do ingresso para os espetáculos será de R$20,00, com meia entrada para estudantes (R$10,00). A efetivação da inscrição pode ser feita via depósito bancário (dados da conta na ficha de inscrição), ou presencialmente, nos postos de inscrição: Espaço Experimental de Dança (Rua Domingos Marreiros, 1775, entre Travessas 14 de abril e Castelo Branco) ou na cantina da Escola de Teatro e Dança da UFPA. As vagas para as oficinas são limitadas e só serão garantidas mediante o envio do comprovante de pagamento/depósito. Sobre os Espetáculos: BREGUETU | Cia Experimental (PE) "Brega! Ritmo, dança, estilo de se vestir. Essa palavra e seu conteúdo carregam significados, história, classe social e rótulos distintivos. Brega, geralmente, se diz de tudo aquilo que se rejeita ou que se acha feio, no caso das roupas. E na música e dança há certa aproximação, já que muitos intitulam o que não gostam de brega, cafona. Independente do que se pense e de onde parta este pensamento, brega é brega e se sustenta como tal. Amor, o maior sentimento, é brega! Um romance de beira de pensamento, um sorriso sincero. É uma rejeição sóbria de algo que se consome bêbado. É a essência de muitos que o consomem integralmente. É o feio que bonito lhe parece, a felicidade no rosto de quem dança uma vida nem sempre privilegiada. Do início ao fim da festa, é a presença dele que tira de rostos e corpos uma felicidade que é viva e constante nos becos mais adjacentes da sociedade. É o romântico popular, um chinelo de dedo no final de uma festa de salto. É um discurso abstrato nas milhares de bocas que o tem como chiclete mastigado, que joga no chão e gruda novamente. Porque até quem odeia brega, escuta, dança ou veste algo brega. Alguns recusam-se a receber este título sem ao menos levar em conta que todos somos bregas em alguma coisa na vida, porque brega, no final das contas, é aquilo que faz sorrir, seja lá de qual forma for. O brega tem o poder de mudar humor, cheiro de cozinha e expressões populares. O brega é meu, seu, de quem quiser. Brega sou eu, breguetu. Brega é brega!". FICHA TÉCNICA Concepção e Direção: Mônica Lira (Grupo Experimental) Intérpretes Criadores: Lilli Rocha, Jorge Kildery, Rebeca Gondim, Rafaella Trindade, Gardênia Coleto e Márcio Filho Projeto de Iluminação: Beto Trindade Produção musical: Marcelo Ferreira e João Paulo Oliveira Design Gráfico: Carlos Moura Produção: Emeline Soledade Assessoria de Comunicação: Paula Caal Figurino: Carol Monteiro Concepção e produção de cabelo e maquiagem: Jennyfer Caldas Cenotécnico: Eduardo Autran Ator convidado: Adriano Cabral Sonoplasta: Adelmo do Vale Colaboração cenográfica: Henrique Celibi So You "Really" Think You Can Dance | Marila Velloso (PR) A discussão sobre o que é dançar bem, sobre o que é necessário (ou não) para se "saber" ou "poder" dançar, sobre conhecimentos específicos entre distintas técnicas de dança - é um dado exercitado nesse processo. Depois do trabalho intitulado "Entre Danças... uma dança de quê" (2012) define-se um recorte espacial visando dar container às energias e sabotar o desejo de dançar transladando no espaço. Interessa improvisar e compor em conjunto considerando estas ações como habilidades substanciais à dança. O dispositivo Kinect e os direcionamentos que os performers recebem parecem problematizar aspectos como interação e relação entre som, corpo e dança gerando outras diferentes camadas relacionais para o corpo enquanto este atua produzindo a estrutura coreográfica. Mordedores | Marcela Levi e Lucía Russo (RJ) A peça de dança MORDEDORES teve o seu processo de criação – junho de 2014 a março de 2015 - viabilizado pelo patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura e pela co-produção do fundo Iberescena/Funarte. A estreia de MORDEDORES aconteceu no dia 14 de março de 2015 no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no âmbito do Festival Dois Pontos. Desde então, Mordedores foi apresentado no Centro Coreográfico da Cidade do Rio deJaneiro; no Centro de Artes da Maré; no Festival Internacional de Danza Contemporánea de Uruguay (FIDCU); na Virada Cultural SP; na Bienal Sesc de Dança em Campinas; no teatro Cacilda Becker; em Santiago do Chile, no Espaço NAVE; em Valparaíso no Festival Danzalborde; no Festival Contemporâneo de Dança em SP; em Santiago de Compostela, Espanha, no festival Escenas do Cambio, no Festival JUNTA em Teresina; no Festival de Curitiba e nas Arenas Cariocas de Madureira, Penha, Pedra de Guaratiba e Pavuna (Fomento à Dança | Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro). As próximas apresentações confirmadas acontecerão em Belém, Cuiabá, São Luis (Prêmio Funarte Klauss Vianna); no festival Dança Gamboa, no Rio de Janeiro e no Festival Sâlmon, em Barcelona. Mordedores foi incluído na lista do jornal O Globo como um dos 10 melhores espetáculos de dança de 2015. FICHA TÉCNICA: direção artística: Marcela Levi & Lucía Russo performance e co-criação: Daniel Passi, Gabriela Cordovez, Ícaro Gaya, João Vitor Cavalcante, Luan Machado, Lucía Russo e Tamires Costa. colaboração dramatúrgica: Laura Erber colaboração no processo de criação: Ana Maria Krein, Kandyê Medina, Marilena Manuel Alberto, Thiane Nascimento e Tony Hewerton. desenho de luz: Andrea Capella e Isadora Giuntini desenho de som: toda a equipe figurino: Paula Stroher programação visual: Paula Delecave registro fotográfico: Paula Kossatz e Renato Mangolin residências artísticas: Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro e Espaço Cultural Sítio Canto da Sabia apoio: Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro, Centro de Artes da Maré, Lia Rodrigues Cia de Danças, Casa Funarte Paschoal Carlos Magno, Projeto Entre/ Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto e Consulado da Argentina. coprodução: Iberescena/Funarte e Cooperativa Disentida patrocínio: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura (SMC) produção e realização artística: Improvável Produções Este projeto foi contemplado com o Prêmio FUNARTE de Dança Klauss Vianna 2015. Este evento tem o apoio da Escola de Teatro e Dança da UFPA, Teatro Universitário Cláudio Barradas, Hotel Beira Rio, Espaço Cia Moderno de Dança, Studio Art Pilates e Espaço Experimental de Dança. SERVIÇO: VI ENCONTRO CONTEMPORÂNEO DE DANÇA DATA: 01 a 05/09/2016 LOCAIS: Teatro Universitário Cláudio Barradas, Espaço Experimental de Dança e Espaço Cia Moderno de Dança Horários: conforme programação anexo Inscrições: R$25,00 (01 oficina+comunicações); R$45,00 (02 oficinas+comunicações); R$60,00 (03 oficinas+comunicações) Ingressos para os espetáculos: R$20,00 (inteira); R$10,00 (meia entrada) Realização: Cia Experimental de Dança Waldete Brito e Cenas Produções O Teatro Universitário Cláudio Barradas fica localizado na Rua Jerônimo Pimentel, 546, esquina com a D. Romualdo de Seixas, no Bairro do Umarizal, em Belém.


Comentários